0100. Poemamor (ou amasse e escorrerá mel)

Quis saber uma aurora, o instante certo para te amar
Quis saber de todos os sóis, qual seria o que is se mostrar,
ao meu espírito apresentar-se como uma notícia de se perturbar,
Quis saber e esperar

A espera o amor não vivencia,
foi isso que aprendeu minha sabedoria
Pois o amor foi luz
e mesmo com todo o espaço, este raio agora, só a ti conduz

Foi de repente, latente
Mostrou-se chama, ardente, quase um outro ente
Fez nuvens, vapores de devaneio em minha mente
um sopro de esperança que meu ser sente

Preencheu minha alma de ternura
e à noite escura, clareou-a com alvura,
para dançar a dança irreal
E para tal dança foi a sinfonia ideal

Foi tudo dentro de mim e ao redor
Inexplicável, infindável
Não existe bem melhor

Deixe uma resposta