4020. liberte-o

nada é igual
toda semelhança
não é fruto, fruta,
polpa, sumo, seiva
do outro

é a sua raiz
presa a um solo infértil

Anúncios
4020. liberte-o

4019.

onde estará aquela fluidez
das pessoas desamparadas?
hoje qualquer pele vira vício
e uma voz reticente: se você…
todo espírito vira mestre
e um treinador: se você…

onde andarão os desamparados
que vagavam sem esteios e estacas,
ávidos?

morreram nas próximas temporadas
e na cova das fábulas literárias
apregoados no campo aberto
por onde o vento segue em todas as direções
e amparados pelo próprio fim

4019.

4018.

Quando vem e somem
preguiçosas por mover a mão
ou esfumaçadas na semi-lucidez
da penumbra

Olhos cerrados
e as destemporizações
do inaudível

Os mais belos versos
dormem com meus sonhos,
inaudíveis além

Todas as interlocuções
alquebradas na alucinação
do princípio,
finalidade da realidade

Os cânticos urdidos
na esculhambação
embaciada dos horizontes

Só eu os ouvi

Mais que melodias
foram melanomas
manuseados pela mutação
do universo
a cada rajada
da artilharia dos céus

Silencia os sonhos
e só responde quando perguntado:
por que a verdade
é inimiga da realidade?

4018.

4017. vozes

qual seu lado que fala?
fala?
escuta?

quando ouve o que vem,
vem? veio?

quando fala que timbre tem
a voz?

tem voz?
toca dentro, há tom?

é uma repetição
eco de algo sem identificação
sem rosto, tônus, boca, corpo
ou é visível, seu?

vem de montanhas
do peito
entranhas?

por que, então, senão, fala?

4017. vozes

4016. Orgônio

Andar por entre esse complexo de átomos é coisa que não depreende liberdade. Os signos tatuam um certo sentido de coesão. Coesão. O eletromagnetismo pós-gravitacional também. Tudo meio, canal, conducto. Conluio. Eu espero e não espero. A prisão de ficar bem, a cadeia de ficar zen, a masmorra de ficar mal, os grilhões de ficar caos. Cada aglomerado de moléculas é uma traição perceptiva. Todo embaralhamento mental cerebral é apenas manifestação desse ponto, desde aqui, que reflete o todo. Engodo. Sombra e luz como ângulos e adentros e porforas. A musculatura é reflexo do estado total, fleuma, fórmula doentia. Eu te espero no fim, ou seja, desde quando começou. Gametas mais gametas, produto não quisto, pau atravessado na buceta, entre líquidos viscosos de tesão e tensão, uma decisão e a coisa dada: existência. Talvez mais, talvez menos, mas do mesmo. Existe postulação mais carregada de fado? É sina. Liberdade não existe. Existir é momento, não escolha. Contínuo do universo. Com ti, nó, nu, de um e verso. Universe.

4016. Orgônio

Cobre

Era um vento constante. Não só vento, pois era mesmo uma ventania. Não parava. Começara num domingo de agosto. Fora uma lufada morna carregada de poeira vermelha. Quem a sentiu pela primeira vez, não se atinou de que ela não acabaria. Já havia três meses desde que o vento começara e não passara. Pouca gente percebia que a ventania era incesante, já havia algo de natural, afinal, naqueles tempos, qualquer desvio da normalidade entrava logo no rol do costumeiro. Mesmo Dona Eulália que passava pano na casa de hora em hora não tinha tomado tino.

A coisa foi se assomando no decorrer do tempo e do vento. Já não se sabia o que era um ou outro, pois que tinham ambos a mesma toada e o mesmo carregar, a poeira que se conduzia em ambos, por dentro de ambos e começava a cobrir tudo por ali. Como tanto quanto era ventania, além de vento, o próprio tempo que a conduzia ao se conduzir, ganhou outra tez diante da cara que já tivera. Era um transcorrimento avolumado, como o vento a correr. O tempo era o vento, e rápido, ganhava tudo, passava imperceptível e irreconhecível, mas veloz, mais veloz.

Poderia ser destino, tudo coberto pelo pó que vinha junto ao vento e ao tempo, mas não se conformava enquanto apenas e uma fina camada cobre ia tomando tudo, vindouro dilúvio de grãos. Dona Eulália já desistira inclusive dos artifícios da vassoura, espanador, pano sobre o pó e via apenas o tempo se aglutinando voraz junto ao pó que vinha com o vento. Sentada à cadeira de balanço de treliça de cordão, balançava na cadência de um tempo que passava como a constatação das dunas.

Afrânio também identificava que a poeira se acumulava ao largo de tudo. Ali no departamento já havia uma crosta de poeira, não mais uma fina camada. Sentado em sua cadeira de repartição, de frente ao computador, a crosta já atingia mais da metade da canela, nada o demovia ao estranhamento conquanto ainda houvesse a posibilidade de se locomover até o café, mas tudo se alinhava no transcorrimento do vento e do tempo, que mesmo o soterramento iminente não chocava nem afligia.

Quando a coisa vem num contínuo intenso, grave, rápido, mas travestido de normalidade, vento, tempo, tudo se capitula. Não há desentendimento, não há preocupação, só percepção, como as árvores sentem as cascas descamando a cada alternância entre a seca e a chuva, impávidas e existentes. Ou talvez não, talvez a impercepção é o que houvesse, como os autômatos que existem computando as esferas já programadas.

Só sei que naqueles dias de tempo e vento, em que tudo se encobriu de poeira, o que sobrou foi uma vida sussurrando sufocada, onde tudo se encobria, desatinadamente.

Cobre

4015. Dias d’s

dissolvendo digitais
digitando digitanto
digerindo diagramas diagonais
displays distantes dentro
diametrais
dedos duros difamando
diferindo disparando
dharmas deletérios
deletando descomprimindo
dias demônios destemporais
destemperadas digressões
domadas dóceis demais
deduzimos dedos dízimos
dores de dados decimais
dados dados deliberados
delivery de dunas disponíveis
dispersos demais

4015. Dias d’s

4014. Anatomia do desterro

Um corpo grato
aberto opaco, pedra difusa,
ranhuras externas
no semibrilho das lentes quebradas

Alquebrado, o corpo inerte,
reveste-o os próprios cacos;
parte nascida por ali
um pedaço made in Thailand
a junção axial restada alhures
visgo da águia reconhecido
nos tecidos ideológicos
do amor à violência

Digno de nota: o corpo se contrai
ainda passado trinta e duas horas
do dispositivo desligado,
ritmos cíclicos de dez em dez minutos
os dedos deslizam no éter

Massa lodosa à semelhança de
molho pesto receita tradicional
pilada à mão em pilão de pedra,
localizada na terceira interseção
de bílis – negra – e sangue pisado
– à direita do lóbulo inchado
intestinos adentro

Localizados dezenove olhos
todos aos pares
vesgados ao mesmo sentido central
umbílico, denota-se sensitividade
epigástrica morta
neste repositório – quente ainda
por ventura – desfuncionado por
gorduras trans e pans

Nenhum reconhecimento pátrio,
solo desgastado abaixo de um
rasgo de tecido amarelo canário
parecendo haver havido um músculo
involuntarioso sem ciclos ou ritmos,
parado desde antes do desligamento,
notável visualização

Todo o sangue ainda envolvente,
full hd vívido red and blue,
escorre sentido norte
motivo gravitacional plano
para onde vivente almejou

Algo coreano, passível pâncreas,
passivo duodeno, possível pulmão
resfolegado de fuligem
desindexada e livre cambiante,
possui uma bala israelense
terrificada como testemunho testamento

Muito pus, muito mesmo
não havia mais raízes,
só abcessos ancestrais
do proterozoico superior
diluídos por uma camada de
bacon, cheddar e gasolina

O odor dos órgãos ganhava o globo

4014. Anatomia do desterro

4013.

Os ipês tão florindo na chuva
e os mortos enfileirados
cantam para Iku.
E eu amo Jorge, amo o cavalo,
amo o dragão, a espada e a lua.
Eguns comem pipoca de
canjica branca,
eu moro na roda dos coletivos
num agosto frígido,
cativo do coletivo morto
perto da feira que brota
novamente
revigorada e enramada
pela chuva de agosto,
rara,
que expele flores de ipês
aos solavancos de Oyá.

4013.

4012.

a pornografia dessacraliza o ritual
– os ritos eróticos mortos –
poda o processo imaginativo da fantasia
exacerba a expectativa
em desempenho e potência

a pornografia é uma escrita
na memória das horas que rasura
toda tecitura do gozo
destoca o elaborado do toque
desaproxima pela próxima do próximo toque próprio

a pornografia é irmã do moralismo

4012.

4011.

quantas vezes eu me estuprei?
ao me exigir uma potência inexistente
uma voracidade impalpável
e ainda assim ali
mente em estado fantasmático
corpo em modulação mecatrônica
igual à fábula pornográfica

ansiosidade meia bomba
a qualquer momento ele brocha

eu
só partes em animismo esquizoide

caçador de imagens meio afeto
meio objeto
eu
abjeto

nojo interno, bastaria um não:
não precisa, não agora, não

pelo dever composto
de dar substrato aos pelos
e à paisagem pélvica
morro testemunho do macho habitado
potencialmente inerosível

 
a lição do consentimento
inegavelmente vinda da outra
também tem de partir de mim a mim

4011.

4010.

quando desci até o profundo
havia uma disposição enramada,
em cada bifurcação mais uma
e só se avistavam bifurcações

qual das mil me levaria
eu deambulava em digressões

em cada ponto bifurcado
algo que transitava nos dois lados
e um cérbero cobrando do cérebro
um óbulo pela travessia

nada era fácil depois que minha face
havia se estampado no mundo

era preciso retomar o rosto
o contorno da minha imagem
as curvas que transpassaram os anos
e enrugavam ao solavanco dos outros

no profundo da superfície
qualquer jogo te diz quem você é

mas as sendas era múltiplas
e nenhuma era minha, eram marcos
onde eu perdi o trajeto
já não era possível o percurso

nenhuma visão se contempla espelho
quando a luz não vem de si

cada caminho era o calcanhar dos outros
que pouco intuíam do arrazoado
dos passos a serem dados,
apenas formavam faces com os pés

e os pés bifurcavam dedos e dores
que eu seguia no profundo da superfície

para

onde

4010.

4009. Treme

Um tempo de têmporas e reviradas,
sempre soube que o passar desvia o eixo
que o fato não acalenta a lida
e o pouso se intromete nas cercas

Um trajeto de sangue e revoadas,
nunca disse que a trilha era do início ao fim
que o marco não enganaria os horizontes
e que o fluir não desintegraria as raízes

Eu ponderei o pó por onde andei
e perdi o rastro na poeira levantada

As partes não se encaixam
num mundo de calor e gelo

Há o que comprime e o que expande,
uma revoada de bichos solitários
na noite mais clara que já existiu

Perdi a tessitura da claridade e da escuridão
como todos os bichos se esquecem agora
o translado para onde

Onde urge um fim

4009. Treme

4008.

a cada dia a carne cansa mais
as noites, todas iguais
as camas, subnormais
as festas, farsas, sinais
o espírito do tempo, sem cais
o sorriso, obrigado, não traz

uma pressa de esperas
de esporos por abrir plantas
de esporas nas costas
de esporros internos

os infernos não esperam a morte
eles nascem e renascem
todas as vidas em dias

4008.

4006.

Dentro da caixa
apenas fios emaranhados
novelos embolados
nós,
cortes bruscos
retalhos
coloridos sinais

Alguns nós já cegos
não desatam mais
viraram cordões de macramê,
outros uniram pontas
secretas
os fios do passado
preenchendo os carreteis futuros

Outros fios permanecem ali
meio soltos
meio presos
meio tecido desfiapando

Tem esses fios que insistem
em ser ponta para uma costura
linha pra pipa
papagaio, pandorga
voo ao vento no céu de inverno,
o que liga as mãos
ao que voa ao ar

Não são fios emaranhados,
são bem conhecidos, soltos,
se puxar eles se vão

De quando, eu puxo
mas não tem fim
passam pelo todo
se aninham além novelos
dão o contorno solto
pelo todo do embolado

E são longos, firmes,
todas as cores
os mais visíveis
nunca acabam

O amor não tem fim.

4006.

4005.

Nos campo do Sete Estrelo
ficou tanto bem-querer…

Mas é um mundo que impede o amor
Ponta de sabre na garganta
apartagem de dá aperto no peito –
sem aproximação

É um mundo exclusivo, vip,
para poucos não,
fora raros,
para-egos.

4005.

4004.

A poeira toma conta do chão,
dos móveis, dos imóveis, das coisas
imateriais

A poeira toma conta da mente,
do espírito, da

É um pó fino, restolhos de papel,
grãos de arroz, pelos, partículas de peles
primatas

Eu me perco na poeira
fico parco,

Me entremeio
nesse mar de
fragmentos

Em qual lufada de vento que
me perdi, não
sei

Parece que não há como juntar
e às vezes junto tudo debaixo do
tapete

Mas tudo espalha de novo
pela casa, pelo todo, sem
firmeza

Só voos e estacionar

Poderia ser bom, ser lindo,
delicado, livre, mas não
é

É apenas um espalhado
de partes e sujeiras, por toda
parte

Sem fim,
sem firme, ser
despedaçado

4004.

4003.

o que sobra são as partículas de pó de julho
junto a junho e vento seco
som de lua e luz de cheia quase ainda

o que sobra o peito aberto sem espanador
por perto um observador
interno externo

ego superego
rolê de rolas
ambulantes falos
falantes paus
proto pensantes
e tudo antes que algo preencha

o que sobra é a sombra solene
selvagem e silenciante da paz
semblante de sóis ao sal dos olhos

o que sobra é o assombro de uma
tarde que finda
sob olhares herméticos
de alfas-ômegas machos
no ocaso dos bastiões
bastões e porretes

o que sobra são os seixos
que rolaram eras atrás
rocha e rolagem
findada pelo explode pop
das engrenagens
roldanas por erguer
peso morto
como o peito vazio

o que sobra é o insumo
para o consumo
preenchido prisma
refratário de luz
que apaga
o ocaso do horizonte
o orí do azimute
o eixo deslocado
e o córtex da galáxia aproximando

o que sobra é o que completou
a necessidade
essa noite quase são joão
que paira e queima
e inteiramente plena
navega no vazio do peito
até cair breu
e avançar espuma pelo
frio da manhã,
sem vida

4003.