4129. Aluvião

Diante dos morros dantescos
quixotescos e quiméricos
que se esparramam como
onda a despedaçar os sonhos
de areia tidos por crianças
mortas na beira da praia da baía,

tudo se desfaz e carreia
erodindo aquilo que foi sólido um dia.

E a gente se apega às corredeiras de lama
como se fossem se solidificar novamente
ou como se fossem cordas
a fiar os tecidos da vida

e nos agarramos ao volátil tsunami
de densidade barrosa
que arrasta arranha-céus feito formiga.

A gente ali, no fluxo inundante,
trocando a liberdade por uma nesga de segurança

                  – escultura de barro,

                   até a próxima tormenta.

4129. Aluvião

4127. Bora lá, galera?

Enfrentar o tédio da vida
sem deslizar dedos no éter dos metais raros,
entrar no embate
com os coleguinhas
sem se proteger
no isolamento que retalha,
sentir cair a noite
colando nódulos
de solidão no avantajado
da cama larga,
desmoronar o arremedo
da falta de vitalidade
num punch sem sentido
na moleira de uma
tarde de quarta,
esculpir novas fábulas
para desagrupar o
campo mítico que esquarteja
pássaros azuis aprisionados,
desinquietar os contentes
com um bundalelê na janela
bem na cara dos puristas.

Bora lá,
largamão desse quadrado
de auto-eficiência
nunca suficiente
e rola ladeira abaixo
na tentativa de equilibrar
as pedras que quebrou.

Bora lá,
hastear bandeiras
quando levantarem a voz
para dizer que é sem bandeira,
buscar a Bandeira Verde
que marcará o fim da seca,
plantar bananeiras
e chamar
   chamar
   chamar
   chamar,
   xamã
a quem dê e seja
e deseja.

Porque ninguém vai segurar
uma mão que só se ocupa
com o medo
e o toque no vazio
– ninguém segura (ou larga) a mão ocupada com os dedos deslizando no éter.

Ninguém vai chamar quem desapareceu.

Chama, vai.

Chama, há.
         
                  Me chama.
         
         
                  Tô te chamando.

4127. Bora lá, galera?

4126. À

Acorrentadas mães tanto das prosas
em dias com mistérios infinitos
                 quanto das poesias que se transformam em poeira

nós acordávamos em cima de todos
e quaisquer fios estendidos pela vida
                   bom jaco a quarar entre os arames armados nas paredes sem reboco

e sim, vivíamos

pois na brutalidade desparecemos fracos.

E as noites eram corujas sólidas
que, tangenciando o couro, iam embora

desbotar de escuridão o unguento.

4126. À

4125.

pela janela
a noite escura,
lá fora alta
duas luas

uma nítida
outra difusa

um leve estrabismo
no céu que dura
milênios de milhares
de noites profundas

e ali, paradas,
subiam duas luas

um jorge, um gêmeo
e um dragão cindido
no meio

uma asa num ponto
outra asa descansando
e o fogo no centro
 
 
duas luas no céu

eu tento
 
 
                          mas não aguento

4125.

4124. tarot da via

achei um caco de garrafa
de cerveja pregado na chinela

cinco quadras depois
encontrei outro caco da mesma garrafa

e durante todo o percurso
gotas de sangue coagulado estampavam o chão
até que quatro quadras depois
estava lá, a poça

à frente uma moça cuspiu uma borboleta branca

cinco quilômetros depois
outra moça cuspiu fumaça depois de uma tragada

e eu li o caco, o sangue e o cuspe
 
 
os arcanos da era da zoeira
são de uma potência brochante

4124. tarot da via

4123. super capitalismo totalitário

me pediram um poema doce
como suspiro e pão de ló
e o que veio foi esse conto em foice
a martelar a corda e quebrar o nó

que pendurava a morte

– a bicha tava que já não se aguentava,
pensava em morte todo dia, a morte.
até que não guentou e se pendurou
na própria morte, a bichinha.

antes saiu por aí a desdita
revigorada de vida, a morte
colada com uns parça sinistrão
que metia os loko nas quebrada
interplanetária do globalismo
antiglobal

a morte surfava e espreitava
chamava o guedes e dava uma dica
chamava os messias e rezava uma estória
e começou como falseamento
da lógica mais temerária

soltou fantasmas passados aos montes
e aos poucos
cada fantasma a trazer mais dezessete
trinta e oito
e deixar tudo no ponto do doido
fissura de crackudo
o cuco da história como o elemento definidor da antihistória

38, depois 48, depois 58 horas semanais de trabalho
no talo e com relho no lombo
e um sorriso brilhante olhando o quinto mandamento
insanamente
do alto do morro que desceu a morte
e aliciou as polícias da morte
para as milícias da morte

e um pib aumentando 0,6%

4123. super capitalismo totalitário

4122. Conjuro

Minha primeira reminiscência
na esquizoanálise foi um aboio:
mil tretas nuns paranauê sinistro,
lokão tipo fogo nos zói da venta.

Na sequência veio uma anamnese
vindo nas veia
gradativa feito um dub;
peguei na mão da lembrança
e disse: isso me encaixa, tem graxa
eu escorrego corredeio
e cadencio: há água irrefletida
que margeia e inunda.

       Despacho para a síntese
       intersubjetivamente objetiva:
       – sete tipos de miúdos de centauro
       – dois litros de dendê
       – farinha de puba suficiente
       – cinco tipos de balas perdidas encontradas
       – nove fios de cabelo de axila feminina
       – um alguidar número nove
       – um raio laser
       – um strobo
       – camarão du bom um bom tanto

A integração se deu num rasgo de anunciação
– com um pacto entre as partes
que se achavam estranhadas, embora entranhadas.
Chamei as paradas que se diziam escrotas
trombei com o sumo da bondade que escorria
e trôpego me arrastei

e me arrasto. Mas invocado.

4122. Conjuro

4121. Panema

A desdita começara de véspera
numa partida partida entre duas bandas:
uma avante outra retrovisora,
mas parecia mesmo era que a bola
é que tava malassombrada.
Quem mantinha a pelota sob domínio
era afetada por um enfado tal
que zicava toda condução:
perdia-se num ensimesmado irredutível
à realidade,
inação plena – quebraram alguns bancos, alguns.
Outras tantas ficaram no twitter. –,
mas de junho pra cá foi essa coisa
que nem vai e nem foi
fica sendo sem saber que tá,
cara de empanzinado ou enfezada,
mas o certo é que é quase uma maleita d’alma,
cabeça de burro enterrada dentro do peito
mandinga venenosa de traído pela atração
da outra banda,
que quando se vê cá, o que de lá bombeia,
perde-se o caminhar e só fica
a cara de véspera eterna

partida sem campo

campo sem mato

mato sem

morte desprovida de vida – vida abandonada é esse quase,
 
 
 
uma panema da porra.

Porta de entrada pro ermo.

4121. Panema

4120. Longe demais de Aruanda

Um gosto alcalino na boca,
como se eu tivesse passado
a noite toda chupando pilha,
até me entalar,
como Rafael.

O suor escorre pelo pescoço,
uma quentura lateja
desde ombro a ombro,
kundalini horizontal a queimar
a vida, ou o rasgo.
Schopenhauer quer a minha morte
carbonizada, hoje eu
tenho um problema com meu corpo,
como no meu debute.

Um verme de linhas obtusas
me habita. É um pontilhão de Maria.

Eu sequer saquei,
meu corpo insistia
em produzir umidade,
meu semblante certamente é gay.

A aurora da vista.
Eu tô indo pra onde?
E se ela me desse?
e descêssemos no meio do matagal
até os charcos da mata
e molhássemos os pés
no regato e arregaçássemos as mangas
por entre o arroio
e capinássemos e plantássemos
e curtíssemos
sem botões?

Eu lembro do rosto das pessoas
e dos detalhes dos sonhos quando sonho,
como os traços dela vendendo os traços
e seu dente que falta e o outro torto
e que eu não tinha um puto para comprar os traços.

Cada pé de árvore agora me faz querer chorar.

Não me olha,
eu quero plantas e águas
e o silêncio dos sons
e ela que não existe,
entre as folhas das primaveras em flor
sem o meu medo
reflexo
e uma atração desatraída.

E eu tenho vontade de chorar
a cada sopro de imagem que não esqueço.

Quem caberia por entre as folhas?

Quem teria a cor dourada
e o suor caindo pelo rosto,
um sorriso de esforço para o buraco
da muda de cupuaçu
e o bico do peito à mostra
por entre a folga do vestido,
sem a minha significância sabotando
o prumo e sustentando
um pai em minhas costas?

Quem seria ela que finalmente não seria eu
a me relacionar com meu homem
travestido de mulher?

Eu me cerco de espectros.
Eu me perco no ectoplasma.

Não me olha.

A natureza é perfeita
e o erro tem um sentido evolutivo,
quisera eu saber viver na roça.
Tenho vergonha dos meus peitos.
Queria andar sem camisa
durante a lida e ler
Schopenhauer na rede logo após,
sem camisa.

Cada luz que vem difusa
eu penso que pode ser um milagre.

E pra onde é que eu tô indo?

4120. Longe demais de Aruanda

4119. A vergonha te dispõe?

Não é paradoxo,
é paroxismo:
amar a beleza flutuante
de paisagem em corpo
em forma,
longitudes que nos alcançam
as vistas;
ser indiferente à beleza
– sempre invisível –
antes da opressão suprema
até a morte da vítima,
quiçá sua loucura.

Matá-los todos,
sem nenhum amor,
apenas o amor
filogenético à espécie
da vida.
Desigualá-los de quem
importa manter a vida
e dispô-los a ser adubo
às espécies – turba –
que mais vibram:
nossas irmãs plantas.

E a cada um que derrubarmos
com seus sangues em nossas mãos,
desonrando tudo o que
eles acreditam,
comprovará não a nossa paranoia
– ela é apenas a percepção
de uma realidade diluída
nos espetáculos deles –,
mas sim a nossa
pronoia.

Sincronicidade da morte para a vida.

A cada um derrubado,
uma nova estrela
surgirá no céu,
não em suas homenagens,
mas para as novas constelações
que ornarão os céus e os signos
de nossas infinitas possibilidades,

enquanto espécimes
da vida.

4119. A vergonha te dispõe?

4111. ventolalia

são milhares de vozes
que se fazem

e te dizem quem tu és
ou que te dizem tu és
ou que te dizem tu deverias
ou que te dizem tu serás
ou que te dizem tu fostes
ou que te dizem o quê
ou que te dizem sem dizer o que te diz
 
 
e o que tua voz te fala
e o que que tua voz carrega

quando só o vento se ouve?

4111. ventolalia