0891. Te amo

A imensidão de teu ser me dá a aurora
de minha parca ostentação.
Tu contrariaste toda o intenção
que me levava a crer ainda.

Hoje sustento apenas um copo de pinga
em minhas mãos, porque o ardor
na garganta é mais suportável
que o fel de toda a tua conduta.

Hoje conduzo apenas meus dedos sobre
este teclado, que a cada dia torna-se
menor e menos salvador.
Te guiar é-me impossível agora.

Perdi-te ao nada e te agradeço infindo
por conta disso.
Deu-me a oportunidade de reinventar todo
o prazer.

São em momentos como esse que compreendo
o quanto de amor foi meu e quando foi seu.
O amor é esse que surge do imponderável.
Sem se dizer.

Deixe uma resposta