1198. Pardal

Parece plausível
que existam
essas solidões
todas:
há essa que só
se preenche
com um deus,
há o vão ao
dividir um banco,
há o guarda-chuva
torto descendo,
há o origami que
não salva mas
voa,
há os olhos detrás
das lentes,
há o canto de
subir a rampa,
há a tensão da
calculadora,
há eu e uma
lapiseira frenética.

Deixe uma resposta