1250.

Nada mais que um problema a mais
É o que eu carrego nas mãos
Sem dádivas, dívidas, dúvidas
Só um parco, pobre, pardo coração

Nada menos que a média geral
É o que me difere da multidão
Quando ando pelas ruas sou um vulto
Que em nada se difere do vão

Nada de cores em dores de seus tons
Só uma figura cinza no campo da visão
Mais esses meus passos apressados
Descompassando ato e sensação

Deixe uma resposta