1339.

(ao meu Tio Oscar)

hoje eu senti o
cheiro da morte ao
carregar meu tio
já morto
pelos corredores
do hospital público
na ânsia de só
tentar fazer algo,
de só procurar
fazer alo
e de só ter a
morte às mãos.
hoje eu vi a morte,
eu a carreguei nos
meus braços, eu
a sinto ainda em mim.
hoje eu senti a
morte de perto,
e não teve nada
de belo, nada de
nobre, nada de
lúgubre.
só descaso, só
corredores vazios
e gemidos baixos,
só minha mãe
e seu choro, só
um corpo numa
maca.
hoje eu vi a morte
e não queria
te-la visto.

Deixe uma resposta