1445. Poesia sampleada de prostitutas

“Cerveja sozinho, nego?”
“Amor é o caralho,
entendeu? O caralho!”
“Ah, vai tomar no
cu seu corno!”
“Eu vivo é assim mesmo”
“Velho é bom, mas eu
gosto mesmo é de
cabacinho…”
“Ihh… Assustou
o garoto…”

Teresina, PI.

Deixe uma resposta