1473.

Aqui, onde o
único mar que
se vê é o céu
eu me atiro
de um trampolim
rumo ao nada

Eu não tenho
guelras e
minhas garras
não conseguem
capturar o nada
e as escamas
são plumas que
se perdem a
cada submergir
no éter

Peixe fora d’água
o que me sustenta
é essa imensidão,
quase liquefeita.

Deixe uma resposta