1603.

Acho que isso daqui
nunca pára
nunca aquieta
nunca
Queria que todos
virassem estátuas
de cera agora
e eu transitasse
livre, compondo o
meu silêncio
Esses sorrisos estilhaçados
essas faces tensas
o desespero contido
Queria que quando
tudo parasse eu
compusesse o silêncio
mais perfeito de
todos
Mas talvez o silêncio
mais perfeito seja
esse em que, tudo
em movimento, nada
se ouça

São Paulo, SP.

3 comentários em “1603.

Deixe uma resposta