1784. Fazer a barba

Um reflexo lento se fia no espelho
Há qualquer coisa de errada
Como se o nexo do ethos houvesse ficado
numa imagem parada
Cinco pelos ouriçados
Mais três rebeldes que querem ser lisos
e tantos mais em sua insana missão de se dourar

A gilete fica ali
em tensão eterna
como se
(como se fosse a coisa certa a se fazer)
pudesse resolver algo na aparência

Talvez costeletas
mas isso é coisa de quem tem a força de
ter perdido uma costela
para um coração partido em decair

Talvez bigode
este que só a quem faz dos culhões
fios tesos sobre a boca pode ser merecido
(descartada logo a hipótese
já que os culhões ficam bem ali mesmo,
entre as pernas e bem protegidos
no mistério de ser viril ou não)

A tesoura ajuda um pouco na indecisão
quase que na barba um pouco
da mísera apatia de um Sansão

Quase feita a barba
Ficou-se nada feito mesmo
Como o rosto que a possui:
um quase premeditado em deixar a barba por fazer
(afinal, ela se faz feita mesmo…)
(ou quem sabe os pelos ditem mais do que a aparência)
(mais do que um quase)

Deixe uma resposta