2312. Alhures

(A Fernando Livramento, percorrendo a memória em noites de Moçambique.)

o céu está meio esfumaçado de um tom cinza-lilás
algumas estrelas desafiam o reinado de iansã
a lua fica tímida
se cora diante de nós e se envolve em um manto nefelibático
o mar sacode leve
mas vem vindo sempre
vem
e
vai
eu te olho
você me olha
olhares longos
leves
dois cigarros compartilhados
o tragos de nossas alegrias por estarmos vivos e nos sabermos
uma musiquinha funda nos afunda
a gente deita na areia
e torce pra que alguma estrela se faça a mais
o mar continua
e a gente fica ali
perdidos
em meio a tanto céu
tanto mar
tanto nós
que tudo se basta
nesse momento

Juazeiro do Norte, CE.

Deixe uma resposta