2371. Amorfobia

Fujo agora de todo
contato que possa
conduzir-me dentro
de alguém ou que
me deixe com mais
alguns pedaços no
peito arfante

Dá-me pânico conhecer
gente e ver que
é possível o esbarrar
de além corpo aprazível

Bato na madeira toda vez
que uma voz provoca
em mim um arrepio

Faço-me calhorda
insensível sempre que
anseio pelo seio
novamente à luz de uma
manhã entrando
sorrateira pelas frestas
da cortina e borrando
de dourado o corpo
bem quisto e nu

Tangencio o meu discurso
para o lado avesso
do que queria dizer
só pra não redundar
novamente na língua
essa teima dita amor

4 comentários em “2371. Amorfobia

  1. "Hoje tenho apenas uma pedra no meu peito, exijo respeito não sou mais um sonhador…Chego a mudar de calçada quando aparece uma flor e dou risada do grande amor…MENTIRA!"

Deixe uma resposta