2636. Samba, soma, sombra, assoma, assombra.

Samba é minha dose de soma
mas as vezes ele esquenta, se
assoma à beça na cabeça que
sai até assombração de sombra.
E eu sinto que esse som abraça
santo e me lanço em sanha em
roda intensa içado pelo sangue
de cachaça sem sã consciência.

Aí meu irmão, isso assombra…

2 comentários em “2636. Samba, soma, sombra, assoma, assombra.

  1. obrigada pelo comentário ao meu Poema. Vindo de um poeta como você, deixa-me honrada. Adorei seus textos e seu blog, a partir de agora entre meus favoritos, para que os passeios por essas bandas tornem-se assíduos.

Deixe uma resposta