2739. Poema bendito, lodoso e ateu

Disso que em mim
tão bem te é,
vaidade de reino,
filo, classe, ordem,
família, gênero e espécie.
Dessa infinita linguagem
de memes, genes,
falhas e superestruturas.
Disso que reflexo
especulo intuitivamente.
– Abre portas, sacer fare.

e os canteiros são teus
com procuração passada
em cartório:
a mim, nomear o mundo
com sementes.

2 comentários em “2739. Poema bendito, lodoso e ateu

Deixe uma resposta