2820. Porque está em tudo

Deixar-se fluir
pelos espaços
entre folhas e galhos
mirando a nuvem
alvo dissipada

Pairar por entre mangas
e quedar no reflexo
do vidro espelhado

Pousar o corpo entre
os vãos da grama
e silenciar todo caminho
esse momento humano
onde rodas pousam
e não nasce planta

Se dimensionar no
mesmo peso de pétalas
de espatódeas pelo barro molhado

Desmensurar toda a necessidade
como pedra ser

Deixe uma resposta