2938. Cidade I (Um sample de forma)

O espaço quadrante pelas torres digitais
geometricamente compondo o permear entre pontos
imensas curvas periféricas.
 
 
O espaço
              fluindo concreto
              (rio aprisionando a
              quem o navega)
tem prazo de validade
até a permanência
                       da eternidade
beatificado nas sacolas
nas teses dos juristas
sortido alegre ardido de paixão
paixão homogeneizada
mass media de eucalipto
não existir paulatinamente
                       um espírito quando a dor entra e se perde
fazendo do futuro nenhuma continuação horizontal de expectativas
como se espera a paga
que apaga a dívida no banco
                       naquele abril quente
                       de fogo abrasado
                       pelo sorvete devido na parada de ônibus.
Fogo fato adentrado
em vias respiratórias outras
revoltas
                       naquele lugar onde as raízes se entranham
                       tórridas
                       ao que geneticamente se mistura inorgânico
                       que o artificializa
                       como se muros libertassem
parede espessa
prisão e piche.
 
 
O burro na calçada
(pra que pastar mato se os restos dos carrinhos de x-tudo são iluminados?).
Antigamente vendiam terrenos no céu hoje em dia financiam o céu próximo loteando
todo o espaço
vertical que o burro não nota posto que a azia o co-in-funde tapando-lhe os sentidos
                                                                                                                                tidos
dentro de algo que poderia ter sido um cérebro.
 
 
De dentro de feixes de tarde
                               portados em paus de
concretos, emaranhados
de arames bem atados
                               que me dispõem a mesma coisa
que são tal e qual imagens
                               ou
                               nós
amarrando os satélites
que despencam bolsas e valores
foices em seringas
                               que me curam
                               e me movem
                               pois me ouvem
ou me cobrem
feito a noite mortalha a tarde
                               que oculta meus ares impuros
a pornografia de um abril desfeito e quente
                               (a aldeia inteira arde as correntes
                               em abril!)
labaredas esquecidas e fé
                               mimético e mítico
                               pura religião sem símbolos.
 
 
A manhã tarda essa noite longa e banhada de humores e líquidos
gozo ao outro
                               liberdade de possibilidade
                               (noites fogos esquecimentos lugares)
que lhe retribuirá endiabrado
músculo tencionado e relaxado
                               perto da brasa
daí soltar os pavões:
a ilha de calor cândida
na armada brita
(células na argamassa
cimento e água)
rolar voluptuoso e sério
por uma noite sem vida pulsante
                               paz nos ossos dos orifícios.
 
 
Naquela noite naquele deserto naquele abril
a prosa
orquídea dengosa
insere-se
plug-and-play no usb 4.0
ralo dado no esgoto
                               minotauro – tarado – beija
o chão e chupa a manga
convencendo que labirintos
já não bastam como esgotos
                               roçam o espírito do prosador.
 
 
Espírito que queimará sempre
                               naquele mês de abril
                               longe de tudo
antes de todo ardor sucumbido
por musas que cercam e embasbacam.
 
 
Epírito que precisa aparar
pois que se enfeia
                               o real materialista
que ouve os vãos como os vôos silenciam
o espaço percorrido de céu
                               e ainda calam a realidade enfeitiçada
                               tão sólida
que ouve pouco
com aparelho
                               a um xamã prismado que canta sem voz
                               cativando portas e janelas
                               pisos que ouvem
quando houve a necessidade de se torrar as sensações.
 
 
Epírito que precisa aparar
pois que se enfeia
                               a telepatia cinza entre os mundos
infovias de comunicação quântica entre humanos
como um não-lugar se dá em outros
desconhecendo quadras, casas, conjugados.
                               Fixa o diluído chão
                               mobilidade castrada
(Aṣé, Vandana Shiva,
                               múltipla política terrena!).
Espírito que precisa aparar sempre
pois que enfeiam mesmo as mortes
                               fino fio que certifica a passagem ao inorgânico.
 
 
Até a beleza se dar em felicidade bela.
Iluminando.
 
 
Ao que se enquadra
                               (arranha o céu, veja)
foi ou será
todo o globo gleba utópica densidade medida
                               de restos e sons.
Como o que se transpira é cálculo
                               (ou arranha um céu visto de cima ou de dentro)
equação que precisa se errar
mesmo que seja apenas eterna
                               naquela noite de abril
ou por certo aquela velocidade
                               no espírito ou no ar.

Deixe uma resposta