2979. d’amor

nada se avista
que não seja amor
nada que não seja

me transbordam pelos pêlos
os apelos da apatia
mas só me infiltra o amor
entre as partes
e antes mesmo delas

o amor me beira o caos
e forma a carne encefálica
penso amor e vibro cordas
me percorro amor em som
por todas as frestas
pelo corpo do que é vão

nada se avista que não o seja
– isso
o amor

é bom e me abarca
até o mundo abraça
o amor que avisto em tudo

se salva
se serve
se salga
não vale a saliva gasta
é amor em tudo
e de nem bastar
basta

Anúncios
2979. d’amor

3 comentários sobre “2979. d’amor

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s