3034. Do gosto

Como dizer aquela palavra
que cale doce e fruta aberta,
diamante de romã ou pérola de poncã.
Como a polissemia de uma uva única
explodindo plena na boca.
Esse teu gosto todo de cheiro e cor.
E o tato na língua.

2 comentários em “3034. Do gosto

  1. Quando espinhos na garganta descem finalmente e o verde que se degusta é só aquele que sustenta tantas cores mais, para o gosto dos olhos, da pele e da boca.

Deixe uma resposta