3468. Vai vendo

Eu vou de bike,
pelo caminho, vê-se as ruínas
do antigo castelo dos sonhos brutos,
a cracolândia de quem não teve
direito às expectativas calmas,
os restos materiais para a
futura arqueologia dos sentidos urbanos.

Ao largo, os hieróglifos inauditos,
visíveis e invisíveis, paisagens já.
O pixo atrevido de cada dia.

No meio da ciclovia, o tiozinho de joelhos
e um saco vermelho preso na cabeça,
tapa os olhos,
ergue as mãos para os céus.

O céu é infinito e nos cobre.
A fiação é de cobre e foi arrancada,
moeda de troca em um mundo
de pouca valia a quem mais deveria valer.

Continuo,
passeio por essas galerias de arte a céu aberto
que são os muros das escolas.
Os grafites que dão graça à quebrada
que reproduzem o marco central,
a caixa que guarda a água
e lembra a luta de quem saiu de lá,
de onde não a havia e cá a queria.
A Caixa D’Água.

A coisa toda vai indo,
eu vou percorrendo.

A coisa toda é loka.

Eu, vou vendo…

Anúncios
3468. Vai vendo

Um comentário sobre “3468. Vai vendo

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s