3522. altas noites

alta noite
tateei teu hálito
era uma textura quente
atravessando o medo
me encaixei em tua concha
dorso encostando teu ventre
cada respiração tua
em meus ouvidos
desenhava a sinuosidade
das tuas curvas
no meu horizonte rochoso
dentro do meu sonho
te espalhei por cada
rio e folha que percorria
acordei árvore te despertando corredeiras
teu hálito insuflava calor
em minha boca

Um comentário em “3522. altas noites

Deixe uma resposta