3528. sobre escombros e sob eles

cantos sagravam todo o plantio
e sacralizavam toda colheita
naquele pedaço de terra
cercado de vida por todos os lados

nas noites eclipsais
abismávamos nos abismos celestiais
vestidas de lua vermelha e breu
e tínhamos aquele tom
mais próximo do crepúsculo

plantávamos na terra doente
buscando sua cura, corpura,
regando com a água
colhida diretamente dos cachos
de frutas gasosas, sumo e néctar
incolor

cada casa morava uma deusa
um deus, dois adeus, ateus
em cada casa de barro
moldávamos cabeças
preenchíamos cabaças
e com um batuque cadenciado
fazia-se a luz, mais um anjo
amontoava-se o espaço
entre céu e terra
renunciávamos o pecado
e vivíamos de nossas naturezas
ofídicos

as conversas junto ao pé de pau
ali perto das cabras pastando
iam de lá pra cá, submersas
nos cem mil tons do ocaso

éramos poucas, o tanto
suficientes em si
e à porção ocupada
muitos para a festa

nos amávamos como amantes
aos primeiros dias e todos os dias
entre o trato e o trabalho
e o pulsar das rotações

abríamos nosso corpos
nos descorporificávamos
antes do sono restaurador
onde líamos cartas,
borras, bolas, astros, mãos
e o que se via
viria

Anúncios
3528. sobre escombros e sob eles

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s