3548. marcha

cada história ali posta
andante, em marcha
cabeça punho erguidos
conta o absurdo mais inglório
de um momento histórico que não cessa

cada corpo ali composto
construído
milhares de partículas de diásporas
desafia a cultura engessada
asco e aspecto da perversão humana

cada sangue ali corrente
atravessadas léguas de mares
em correntes
transmutado pela e para a violência
expõe a permanência da barbárie
macha e branca

cada uma ali presente
é o presente de outras
caladas, invisibilizadas
assassinadas, violadas
e é o seu avesso
a luta e a reversão
é a voz e a vez
o horizonte e o agora
o que há de ser
e será

cada ela ali aguerrida
é ela e tantas mais
coletivas, próprias
delas e para elas
em lutas que deveriam ser de todos nós

Sem título

2 comentários em “3548. marcha

Deixe uma resposta