Baseado em fatos

Demorou apenas três dias para que eu cruzasse todas as ruas da cidade e cumprimentasse, com sorriso franco, todas as pessoas que encontrasse. O pasmo e o desconjuro eram sempre os mesmos, apenas as crianças e alguns jovens não fingiam seu espanto e demonstravam, mesmo que de quando em quando, alguma admiração. Talvez fosse pelas minhas tatuagens que cobriam desde a testa até os pés, passando pelo enegrecido à tinta do branco dos meus olhos, mas também devia ser pelos meus alargadores que escancaravam locas nos lóbulos de minhas orelhas, boca, bochechas e nariz. Talvez fosse pela minha farta gordura que despencava banhas por fora das roupas. Talvez fosse porque eu era mulher. Só sei que por onde eu passava gerava uma certa aflição.

Cá estava eu, pronta a assumir o cargo de professora de Educação Infantil do Colégio Estadual Belarmino Malaquias, pacato distrito de Menelau de Dentro, zona rural da comarca de Poricoté do Norte, província de Fronteiras Centrais, região centro-sul do amado país de Mogno, parte central da porção oriente-austral do subcontinente íbero-cabralino.

Poricoté do Norte. Me causava assombro que houvesse uma Poricoté primordial, ou mesmo, apenas, uma Poricoté do Sul. Imagino as tropas percorrendo as gerais desse mato séculos atrás, chegantes e escudeiros percorrendo florestas e brenhas na captura de escravos fugidos ou vermelhos da terra. Um vilarejo ficando por aqui, fruto de uma preguiça rosa-olímpia de botar as outras pessoas para trabalhar à força em seus lugares e do estupro sistemático de nativas. Uns diamantes e um ouro qualquer em algum momento da história, a urbe fincando raízes no meio da selva e eis a nossa atual Poricoté do Norte com toda a sua tradição e herança existindo até agora.

Apresentei-me na escola conforme indicado pelo memorando que impunha em mãos, no dia vinte e três. No início não quiseram me atender. Quando cheguei à escola, uma senhora me atendeu, vi o assombro em sua face. Era como se o diabo estivesse ali em sua frente, e o diabo era eu. Quando passou seu espanto e finalmente ela percebeu que eu era uma pessoa de verdade e que tinha um memorando nas mãos, pegou-o com um certo asco e saiu em disparada porta afora. Não sei quanto tempo passei ali, em pé, à espera de algo. A mulher voltou meio ressabiada, me olhou de cima abaixo e só conseguiu dizer, trêmula: “a diretora não está agora, volte amanhã”.

Voltei para o hotel em que havia me instalado. Lá o pasmo já havia virado diversão. “E aí, professora, já conheceu sua escola?”. Respondi com um olhar meio tristonho e só entrei para o meu quarto. Pensava em como eu tinha me proposto àquilo. Mas agora era pagar para ver. Veria. Resolvi tomar uma cerveja. Saí do quarto e perguntei pro moço da recepção onde tinha um bar com cerveja gelada. Ele disse que o melhor era o Tonhão, não era longe e lá sempre tinha uma cerveja gelada.

Cheguei no Tonhão seguindo o caminho indicado. Lá, novamente mais uma cena de choque. Tonhão me olhou de cima abaixo e perguntou se eu era hippie. Falei que era uma das novas professoras do colégio provincial. Ele riu e preguntou o que eu queria. Pedi uma Skol, ele veio com uma e um copo, antes pediu pra eu pagar adiantado. Dei uma nota de cinquenta, ele ficou com um ar mais ameno. Foi para dentro do bar e eu fiquei ali no balcão tomando minha cerveja.

Um sujeito corpulento, massudo, gordo forte, entrou no bar e me olhou. Parou num susto. Olhou pra mim e perguntou: “é pegadinha?”. Não respondi nada. Fez um ar de foda-se e gritou pelo Tonhão. Pediu uma quentinha. Tonhão encheu um copo americano com uma pinga de uma garrafa pet de refrigerante. O sujeito tomou tudo de um gole e pediu mais uma. Virei pro Tonhão e pedi uma da mesma. Ele botou e dessa vez não pediu adiantado. Tomei num trago e o sujeito me olhou com cara de assombro. De repente ele virou e me perguntou: “tu é mulher?”. Fiz que sim com a cabeça. Ele não falou mais nada. Ficava só me olhando de cima abaixo sem se fazer de rogado. Não dei a mínima pro sujeito. Peguei minha cerveja e fui pra uma mesa do lado de fora do bar. Tomei três cervejas do lado de fora. Foi aí que olhei para o lado e vi uma massa de gente se aproximando. Fiquei pensando se seria uma procissão. Achei curioso. A turba vinha vindo, mas não havia nenhuma coisa que me remetesse a algo religioso. De repente a massa se aproximou do bar e parou em minha frente. Não tive tempo de pensar em muita coisa, só senti um golpe duro de madeira na minha cabeça, desmaiei imediatamente.

Depois vieram vários outros golpes. De facão, de machado, de pau, de pedra. Dilaceraram minhas partes. Me esquartejaram. Mulheres chutavam a minha cabeça. Homens brincavam com minha buceta, chutando-a de um lado para o outro. Rasgaram-me todas as partes. Fui largada, pedaço por pedaço, ao largo da rua que dava no bar. Alguns ainda tentavam atear fogo em algumas partes minhas.

Nunca entendi porquê. Morri esquartejada em Menelau de Dentro, distrito de Poricoté do Norte, província de Fronteiras Centrais, Mogno. E meu sangue ainda pode se ver em algum cascalho que se junta na beira da rua.

Anúncios
Baseado em fatos

2 comentários sobre “Baseado em fatos

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s