4129. Aluvião

Diante dos morros dantescos
quixotescos e quiméricos
que se esparramam como
onda a despedaçar os sonhos
de areia tidos por crianças
mortas na beira da praia da baía,

tudo se desfaz e carreia
erodindo aquilo que foi sólido um dia.

E a gente se apega às corredeiras de lama
como se fossem se solidificar novamente
ou como se fossem cordas
a fiar os tecidos da vida

e nos agarramos ao volátil tsunami
de densidade barrosa
que arrasta arranha-céus feito formiga.

A gente ali, no fluxo inundante,
trocando a liberdade por uma nesga de segurança

                  – escultura de barro,

                   até a próxima tormenta.

4129. Aluvião

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.