0317. Eterno retorno III

Há anos não ficava com esse ar de nada
Com esse semblante eterno de doce vazio
De oco
De eco
Mas de novo me pego como nada e vazio
De oco
De eterno eco
Fronte de azulejo de botequim de quinta
Rosto de sapato surrado pela falta de uso
Cara de novel de lã bege
De transparente
De oco
De não-nascido
De eco eterno
De nem nada

Deixe uma resposta