0899. Poesia na segunda

acabou já há horas
teus olhos vivos nessa
eu sem garganta por conta
idealizações e memória

não, não me lembro de teus pés
só me encontro em tuas pernas
mergulhado nisto que és
e eu insensível ao que eras

tu não estavas tonta
eu zonzo em teu sono
achei melhor sair pelos fundos
e não pagar a conta

a conta pelo sonho tido
e o medo pelo enlace de pernas
na intenção de tudo contido
(embriagues e letras eternas)
(desejos con(e)tidos nellas)

Deixe uma resposta