0902. A lua que não existe

meu azimute em teu encontro
tua definição extrema, meu zênite
a virtude do equinócio outro
uma constatação que é tênue

o caminho do desenredo
construção tua em meu ar
no desalinho do desprezo
armação toponímica de amar

o solstício dado à revelia
de que o encontro fosse novamente
dado o início que já tido não se ia
num tombo do céu pausadamente

tua lua era de uma classe espectral
forjada para dar fim ao amor
toda nua e sem o justo cabedal
de motivos para evocar minha dor

inexisto à tua lua que não existe
viro o sol que te dá o contorno
e que promove a luz que insiste
em existir tua lua de novo

Deixe uma resposta