1023. Discursos e desculpas

Escuta o que digo
Teu passo só e aflito
É o avesso do meu caminho
Quero amar o que preciso

Sonho vão e gasto
Teu caminhar em descompasso
Amo quem ao lado
Par-e-passo alinhado

Meu carinho ao mundo
Tudo cabe não absurdo
Afagar profundo
Cada um em seu segundo

Quero ser a marca
Que um peito todo abarca
Não uma vida parca
Mas um afagar que não passa

São discursos que usamos
Pra cativar e conquistar
E depois contabilizamos
Os erros por suportar

Impedir a liberdade
Viver a frugalidade
Destruir o amor pela vaidade
De uma auto-piedade

Destruir os sonhos
Pelo medo do enfadonho
Trocar o amor que proponho
Num bailar medonho

Meu coração disperso
Não desgosto só me imerso
Em outro qualquer do universo
Para qualquer um meu verso

A solidez do meu peito
O claustro do meu defeito
Só um coração sujeito
Pleno aos versos que leio

São desculpas que usamos
Para o adeus e o afinal
E depois contabilizamos
Todo o bem e todo o mal

Deixe uma resposta