1711. Ligo não

Um ano se faz
nem lembrava,
coisa que a memória
seleciona em prol
da integridade
de que fique o bem
e de que se fique bem.

Um ano se faz,
minha memória seletiva
no lapso nem se
recorda do número,
talvez do quadro,
do antes e do depois
do dia
do então.

Feliz ano pra ela
Feliz o ano pra mim
Felizes os anos
para o entre eu e você

E pra ela,
haviam muitas poesias
no livro
até hoje devem haver inéditos pra se ler…

Sem brinde,
sem chears,
sem lágrimas,
sem mágoas,

feliz sim, pra você.

Deixe uma resposta