1712. Poesia do amor reticente

É que sempre é uma invenção
Sempre é assim essa ânsia
De ser para
O seu ser para mim
Sempre completar
Eu invento e inverto tudo depois
Mas do que já feito
Eu me invento em você
O seu ser para mim
Dar-me assim, para a ânsia
Ser-te a ânsia
Assim, reticência…

Deixe uma resposta