1744. Sambaqui

Areia cobre o vão
da sua presença
e eu jogo sal.
Areia corre e encobre
a sua sentença
e eu jogo sal.
A concha constrói
o casulo da sua
ausência
e eu tão sem sal.
A concha dissolve
em calcário a
minha falência
e eu tão sem sal.
Aqui eu me enterro
Aqui eu me erro
Aqui no horizonte
tão vasto do mar
de água e sal.

Florianópolis, SC.

Deixe uma resposta