1820.

talvez se eu fosse um servidor público
quase um vassalo dos papéis
tudo fosse mais fácil para se dizer

o respeito estampado no peito
do tamanho de um grande curso acadêmico
da profundidade do vão da porta de uma garganta

poderia ser que se eu o fosse,
um servente do Estado, estando sempre em estado
de servir para ser um coringa numa corte qualquer,
eu não fosse cortado de meus próprios planos

e uma vez tendo casa própria e
anel de brilhante, poderia até esquecer
as idéias brilhantes que me acometem a mente
e viver de idéias tolas, tolhidas de mau senso, só o puro bom senso da classe média

Deixe uma resposta