2379. Geográfico e antropológico

Dependendo do lugar
sou branco
Já fui tratado por
bugre
e chamado de negro
Tenho esse nó na madeira
de cristão novo
no nome
e cabelos carajá escorridos
que enrolaram com
o passar do tempo
Trago um silva
da selva
mato-grossense e
um lusitanismo
ao que protege alemão
Uma resistência
malê nas têmporas
e essa pele que
doura fácil
como as areias das
praias araguaias
Nascido no cerrado
goiano quadrado
do pé rachado
roedor de pequi
Sou esse interior
amontoado num
distrito urbano,
sou isso tudo aqui

2 comentários em “2379. Geográfico e antropológico

Deixe uma resposta