3004. Se

se tivesse agora a pausa do riso
e as formas fossem essas do contorno
aprendido no tato e na língua

se pousada em mim a presença entrasse
com predicado de ser mesmo a eternidade
e ocupar todo o espaço bruto e leve

se debruçar no pescoço fosse então
o apelo único vigoroso arfar em sobressalto
passeando pausadamente até o baque

se tivesse você agora não em ideia
mas no todo das minhas mãos miúdas
elas se agigantariam desde todo o seu prazer
ao infinito da minha vontade

2 comentários em “3004. Se

Deixe uma resposta