3043. À margem da imagem

são invisíveis
esses que teu medo enxerga e te faz correr
elas não existem
essas para as quais tu fechas o vidro
os órfãos de casas
as improprietárias das ruas
aquele que no teu íntimo pensas
em atear fogo para lhe dirimir a dor
elas são o teu incômodo
que te faz segurar mais forte a bolsa
a tua falta de culpa
são as que são sombras e sobras
do que tu dejetas
os inexistentes das calçadas
as que carregam 600 quilos de ferro
os bêbados que estão assim porque querem
todas craqueiras fantasmas
assombrações para o teu saque no caixa eletrônico

essa massa amorfa torturada
violada e volante
carne que sente
que se junta e se ajuda
na fome e na cólera
no riso e no gozo
no sangue e no suor
na loucura e na lombra
na vergonha e no que resta de esperança
qual tu,
tu que não vês nada que não caiba dentro das margens
da tua própria imagem
como Aquele Umbigo onipotente de Quem cria

Anúncios
3043. À margem da imagem

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.