3192. anarco-íris

“Vai trabalhar, vagabundo
Vai trabalhar, criatura…”

era em tons de cinza que ele se erguia
na abóbada celeste
pois o sol estava uma tempestade só
em labaredas magnéticas
e a água que se condensava
vinha pacificamente de fukushima

todos torravam
mas aquecimento não havia
se havia era natural
e naturalmente o calor se suporta
um colar de suor em volta do pescoço
suor leitoso brilhando mcsódio e gordura trans

mas lá estava ele
o anarco-íris imponente
de fato, quase transparente
trans – não lgbt, infelizmente –
transgênico e frankensteinico
símbolo da aliança de deus com os homens
– só com os homens –
de que nunca mais a terra se afogará em dilúvio
ainda que implacavelmente
ela despenque em terremotos
exploda em vulcões
se alague em tempestades
se arrase em furacões
e que no fim, justiça e imparcialidade,
ardam eternamente em fumarolas de enxofre
rolando em espetos com satanás os fritando
todos os humanos impuros

era um belo anarco-íris gris
cortando o céu de fora a fora
sem pote, ouro, ou duende no final

alguns diriam que era a aliança do demônio com os impuros
enquanto isso deus repousava sobre toda a criação
e descansava no sétimo dia

Anúncios
3192. anarco-íris

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s