3378. Destruídos, vingaremos

Este post, vide o verso,
morreu para todo o resto.
Morreu à glória ao capital,
imitação da rosa infernal,
urro aflito do decapitado,
sangue que serpenteia,
fazendo bem, todo o mal.

Morreu para a revida,
em Shangri-lá, Ivy marãey,
Utopia, bala aflita,
morreu porque é ciclo
e vive pelo que se afia.

Caracteres fincados em led
emaranhados dentro de nuvens
agora, este post, pergaminho,
está sendo absorvido,
pelas palas, pelas peles,
pelas íris de todo humano,
está como o que explode
e domina o território,
já é como o drone móvel
que mata em campo exploratório.

É assim que existe a morte.

Deixe uma resposta