3568. castanheira

por fim, resto-me por companhia
dura, bruta, pouco acolhedora
mas que me firma como raiz de castanheira

extraio dessa companhia
não os frutos
não sementes
mas o sempre,
                    vívido pulsante do agora

estar presente em si por companhia
me acontece assim
esse estado de coisas

de que céus astrais foi forjada
a complacência opulenta dos castanhais?

se na escuridão da mata, no mergulhar do sol
o que resta são os barulhos de bichos
a perturbar as partes
e o estalar fino de sua própria casca só

me tenho por companhia
e é nesse triste acontecimento
que se sente o soerguer-se
sinto-me galho e folhas
despontando aos céus astrais
sinto-me, bojo, caule, firme
contornando a minha existência

deparo-me com o que é mais segredado,
                    só a mim árvore:
no emaranhado da terra
entre o podre que permite a vida
sinto minhas raízes rasgando
                    terras, pedras, rochas, veios
fincando espaço de existência
sugando o néctar do solo
que há de me conduzir seiva
esse estado inanimado
que me humaniza árvore
enquanto solo
comigo só
por companhia

3 comentários em “3568. castanheira

  1. É o que sinto com as tuas. Poderíamos criar uma comunidade de livramantes das palavras. Poderia não ser muito produtiva em termos capitalistas, mas sei que fértil seria, fé que seria. Cheia de feitiçaria. E de certo, encantaria.

Deixe uma resposta