3752.

Em tudo há fins

                        – desde sempre –

onde os meios são todos:
cartas muros papiros suspiros
corpo relva mar

                        – e não os justificam

                        os compõem
                                    são tecitura.

A chave de um verso

                        – feito em prosa
                        olho no olho
                        afago de hálito quente
                        trêmulas mãos que se vestem
                                    umas nas outras –

é o fim

                        – silêncio que transporta
                        transpiração da pele
                        transposição de sensações
                        transformação do desejo
                                    em sentidos –

quando vira poesia
com outro.

Anúncios
3752.

2 comentários sobre “3752.

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s