0084. Ex eu

Era como um marginal,
Embora não tivesse controvertido
Nenhum mecanismo legal
Ou sequer cometido
Um pecado capital
De todo seu tempo perdido,
Apenas um mal:
Não ter tomado partido
Do seu medo natural
Podia ter sido bandido
Seguindo a regra normal

Mas rumos diferentes tomou
Nem paz nem guerra
De nova maneira orou
Abrangendo toda a terra
E o normal não cobiçou
Deixou o seu meio e subiu a serra
E pra trás não olhou,
Pois assim o homem erra
E tudo de matéria largou
Pois esta tudo emperra
Marcando que ficou

Agora a vida dele é mistério
E seu depois é incerto
Seu eu é estado etéreo
De um sonho desperto
Resta apenas um sortilégio
Saber se o materialismo repleto
Em seu meio aéreo
Não seria completo
Do que o estado minério
Que não se sabe se é o certo
E que pode ser deletério

Deixe uma resposta