1806. Soltem a moça do calendário

Ela fica ali,
presa,
de soslaio
quase em sobressalto
Costurando,
tentando remendar,
com o bom gesto
de ser negra bonita,
a culpa cristã admitida
da empresa petrolífera
e o ter de alienar
seu trabalho

A responsabilidade social
das ações
se perde na moça bonita
presa no calendário

Deixe uma resposta