3045. horizonte prisional

a prisão dos pixels

o eterno calor das horas pares

“me dá a mão para o gozo?”

assutado,
maculei a miragem no horizonte

“afaga o centro da passagem,
essa abertura à liberdade interna
mesmo que ardente”

como água fluindo em dedos
rios mãos
mares braços
avassalando os pixels

“morre na minha imagem…”

more no meu horizonte,
as vistas se perdem no meu horizonte

“treme, eu sussurro”

apaguei as flâmulas de fora
entrando como água até as entranhas

“digital, a sua árvore da vida vinha
deleitando minhas raízes”

espera, amor das horas ímpares,
não há frio vindouro
meu horizonte é prisional
e eu todo água
à brasa dessas horas infernais

Anúncios
3045. horizonte prisional

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s