3281. Iara

Por quais águas se esconderá?
Até ontem a vi nas correntes dos meus olhos,
desabava por entre aquela cachoeira
Vinha de dentro de mim

Antes, ocupou-me tanto espaço
nem sabia que havia esse mar todo dentro aqui
Mas foi um mar que desabou
durante cinco noites seguidas, aflito
E ela foi indo junto, parte por parte

Se recompôs onde?
Onde agora ela nada?
Não sabê-la mata, não se nada
Esse vazio de mar agora,
derramado olhos afora
E eu aqui todo e sem ela a me ocupar

Por quais águas ela se adorna
de conchas e corais, de algas?
Em qual praia canta sua hipnose,
de qual areia chama o torpe a se enternecer
e marulhar-se no fim da tarde
entre o tórrido e o líquido?

Aqui havia esse tanto de mar,
esse litoral inteiro
pronto para ela
Aqui dentro, amplo
Por que desabei?

Anúncios
3281. Iara

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s