3311. sinceridade

quando eu te chamei
para compor a vida
não fui sincero

queria te chamar pra
enfrentar o mundo
dar murros na vida
chamá-la por outro nome
desafiar até mesmo as manadas
inaugurar as sombras
quando tudo fosse apenas luz

mas fiquei com a veleidade
de buscar apenas a luz mesma
aquela luz que cega
que jorra dentro de si a paz de outrem

recompõe, pois, o cenário da acolhida
do chamado
compõe comigo a decomposição
da vida
pelo amor que temos por ela
não pelos laços que o mundo
amarra nas vontades
mas pelo enlace
do que nos liga
com ou sem mundo possível
por dentro do impossível

dentro não dos nós
e sim do que adentra em nós

Deixe uma resposta