3315. D’arma germe dia

A nitidez desses dias de fim
Uma luminosidade abafada úmida e quente
Todo um porvir depois do fim
Tudo a brotar florescer germinar
A luz traspassa tudo antes do fim
O juízo se colore brilha pulsa
Clareia-se tudo para que finde
Eis o mundo que acabará
Em jorros de luz e cores
Quando se estampar silenciosamente
A dádiva negra de ver

Deixe uma resposta