3790.

o dever é o de libertar afetos
o dever nenhum, pois

não houve empréstimos
ninguém tratou de dívidas
tampouco houve aposta
há sim vida

o som mesmo me afeta
enfeita corpo e cabeça
com o invisível
me sinto mais bonito
quando sons me adornam
mais que quistos e soltos

a sinuosidade dos toques
que me tocam
a síncope e a cadência
que me ritma

seja de qualquer mão que venha

há quem não goste
e arranje artes de desgostar
esquece de libertar os afetos

como aquele primeiro de todos
de dentro de si
 

liberta
deixa-se gostar

Anúncios
3790.

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s