3734.

entre a árvore e o espasmo
navego
e é uma distância
de pelo menos vinte séculos

além do tremor
há o futuro e chamas
abaixo e acima da terra,
antes da seiva
houve a casca e um
momento que nunca começou

a permanência me permuta
entre dois cais
e às vezes meu corpo
se dilacera entre o lá e o lá
quebro-me barco contra o
rochedo
e meu naufrágio gira
num redemoinho de agora

nem lá nem lá
sigo-me inteirando os
fragmentos

entre a árvore e o espasmo
um mar
puxando-me às abissais
do tempo

Deixe uma resposta