3652. cem quilômetros de solidão

a liberdade é das manhãs
e em cada alvorecer
um deus te nasce
entre os dentes
e morre

os raios enramam
feito jiboia trepando
e o peito desaperreia
ipês dentro
quando flores despencam
face afora

dura pouco
mas são léguas

cada dia
a brevidade das manhãs
põe séculos na pele

só nessas manhãs
você sabe a medida
da sua extensão
quantas eras

só.

Deixe uma resposta