3719. O fim da estória

De onde vem o saber do mundo,
o nome das coisas,
os sons com seus significados,
os gestos e sua sabedoria?

Quem habitou tudo com sentidos,
ensinou a enxergar,
separar formas no todo embaralhado
distinguindo contornos?

            – um telefone sem fio de milhares de milênios
            transcorridos, tudo cortado desde
            a origem

Desde a mente primitiva, animal,
forrageando no meio dos cerrados,
o mundo vem sendo criado

Quantos deuses nascidos de trovões, do fogo?
Quantos deuses ceifados?
Quantas destruições e recomposições do humano?
Quantos sopros de vida?
Quantas almas nasceram e sucumbiram
carmas divididos, juntados, transtornados?

E ainda assim, o passado vem à tona
Múltiplos armazenamentos para explicar
para contar essa história feita de bifurcações
que bifurcam e que bifurcam e depois
bifurcam e, então, bifurcam

Separações e fusões
sangue e amor
percorrendo e fazendo as eras

Cabeça após cabeça,
a narrativa de todas as diásporas
dos mares de migrações
ambientes tomados, partilhados, cercados,
livres

Uma Terra como o todo

E sempre há aquela, que falou para aquele, que ouviu
daquilo – pois que até pedra era gente –
que foi segredado por um bicho:
que depois daquele morro,
por trás daquela serra,
além daquele mar,
alhures do deserto,
no meio da geleira,
por dentro da floresta,
léguas deste lago,

morada há
e bom paraíso
Que é lá que os espíritos nascem

E cabeça após cabeça,
após cabeça após
os pés se guiaram para o agora

Milhas e mais milhas de memórias
transcorridas boca a boca
gesto a gesto
toque a toque

até dar nesse vórtex de dispersar conhecimento e informação
chamado hoje

 
Eras, eras e mais eras, de mais eras do que se pode supor
descontinuadas para um futuro
que engole o que foi e o que é

Anúncios
3719. O fim da estória

2 comentários sobre “3719. O fim da estória

  1. disse:

    Oi moço! Rolou uma sintonia agora…O texto, o som do texto lido em voz alta. Ouço a musica, reouço a musica e a mim. O ritmo, a melodia, o compasso e fruo aí! Como é bom fluir e fruir com você em mim. Me escapou o toque de pele!
    Alteração que movimentou energias, transformou-se e tornou-se coisa outra, coisa boa.
    Beijo grandão Gui.

    Curtido por 1 pessoa

  2. É o fluxo das eras, Fê… Que captei aqui e foi dar em você aí. A distância é um estado de espírito, moço. Feliz por demais em poder te tocar, desde esse Planalto até seu Litoral.

    Curtir

Diga

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s